santuario do caraca

Santuário do Caraça

A história do Caraça foi iniciada pelo irmão Lourenço de Nossa Senhora, português de origem desconhecida, que fundou, em 1774, uma ermida e um convento, no Caraça. Em 1819, ao morrer, deixou seu santuário a D. João VI, pedindo-lhe que construísse um colégio no local. Já em 1820, dois lazaristas portugueses receberam de D.João VI e fundaram o Colégio do Caraça, que viria a se transformar famoso em todo país. A partir daí, e em plena atividade, as construções foram aumentando e outras surgindo (como o edifício de três andares – que abrigava salas de aulas, teatro, biblioteca, etc. – a igreja em estilo neogótico, substituindo a capela barroca do irmão Lourenço, entre outras). Em 1968, um incêndio destruiu o edifício de três andares, juntamente com o teatro e a biblioteca, permanecendo intactas a igreja e suas alas. Assim, foram interrompidas as atividades do famoso colégio, que hoje tornou-se um lugar de repouso e meditação, aberto aos turistas interessados em conhecer a sua história e passear por uma das mais belas paisagens naturais, denominada pela importante Serra do Caraça. Dentre os atrativos históricos e culturais ali existentes, destaca-se, além do prédio onde ocorreu o incêndio (atualmente restaurado mas preservando as ruínas) o Santuário e o prédio do antigo colégio que guardam um importante acervo, construído de peças antigas, adornos artísticos incorporados à construção, pelas Catacumbas (onde eram enterrados os padres), livros raros e o famoso quadro da Santa Ceia, pintado por Ataíde, em 1828.

banho do belchior

Banho de Belchior

Fica a 3 Km do Santuário ou a 40 minutos de caminhada leve, por trilha sinalizada. O córrego Canjerana desce formando corredeiras e piscinas naturais até o local denominado Banho de Belchior, que tem um poço de 40m de comprimento por 10m de largura, aproximadamente. Os poços ou piscinas são rasos, com água de cor amarelada e tão transparente que pode-se ver nitidamente o fundo pedregoso. Apesar de a água ser muito fria, há possibilidade de banhos. Existe bastante vegetação ao redor da piscina, o que torna o local muito agradável e bonito. Nota-se na região, a ocorrência, em abundância, da jaboticabeira-de-mato (Mirtácea).

bicame de pedras

Bicame de Pedras

A 12 Km de Catas Altas, destacam-se na paisagem as ruínas de um grande aqueduto de pedra, construído com o objetivo de abastecer a cidade ou a mineração. Atualmente, existem cerca de 100 metros do monumento, que tem, ao centro, um portal com a inscrição da data de construção – 1792. Incrustada em uma das laterais do potal, existe uma escadaria que dá acesso à parte superior do aqueduto. Ao seu redor e entre as pedras, há ocorrência de vegetação rasteira.

cascatinha

Cachoeira Cascatinha

Fica a 2 km do Colégio do Caraça, chegando-se lá por uma caminhada leve. A trilha é sinalizada, podendo-se ir também de bicicleta. São várias cachoeiras que caem em desnível, formando numerosas piscinas naturais. A última é a maior e a mais procurada pelos excursionistas. A água é pura, espumante e de coloração amarelada, em razão da matéria orgânica que desce da serra. Há possibilidade de banhos, porém é preciso ter cuidado com as pontas de pedras e áreas mais profundas.

cascatona

Cachoeira Cascatona

Localizada na Reserva Particular do Patrimônio Natural do Caraça, a 6Km do Colégio, no ribeirão Caraça. O acesso é feito por trilha sinalizada, passando pela Estrada Real. A cachoeira tem, aproximadamente, 80 metros de altura, em desnível, com água cuja temperatura está em torno de 17° C.

garganta

Cachoeira da Garganta

Localizada no povoado do Morro dÁgua Quente, possui uma queda pequena de aproximadamente 5m de altura. A vegetação constitui-se de mata de encosta com a presença de samambaiaçus que ornamentam o local. O poço é profundo com cerca de 2,5 de profundidade.

cachoeira valerio

Cachoeira do Valério

Esta cachoeira é formada em rio de mesmo nome, no sítio do Valério com acesso por estrada de terra. Chega-se à cachoeira por cima, onde há um grande poço, cercado de vegetação de mata, mais densa em uma das laterais. Logo após o poço, a água desce sobre alguns degraus, seguindo de um grande bloco rochoso com, aproximadamente, 10m de largura. Em um dos lados há uma bomba dágua. O local é muito bonito, a água tem um tom esverdeado no poço da cachoeira e sua temperatura é fria.

maquine

Cachoeira do Córrego do Maquiné

A maior queda da Cachoeira do Maquiné tem aproximadamente 12m de altura e, forma um poço de 3m de diâmetro e 0,5m de profundidade. A cabeceira se caracteriza por várias quedas pequenas que formam poços em desníveis naturais. A mata circundante é de galeria e, suas águas são geladas durante todo o ano. No local, é feita a captação de água para o abastecimento da cidade.

corrego do mosquito

Cachoeira do Córrego do Mosquito

Ás águas do córrego do mosquito correm sobre área bastante pedregosa formando corredeiras. O trecho mais interessante está a 1 km do Distrito de Morro de Água Quente. Sem sinalização é aconselhável o uso de um guia local. Ao longo do Córrego encontram-se antigos pilões de pedra, caixa dágua, também de pedra e um poço de água quente. Ainda é praticado no local o garimpo de aluvião.